segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

LA BOCCA MALEDETA






















Não tem jeito: se você fica embaixo de um pé de goiaba, não espere colher mangas ou morangos! Um belo dia de inverno numa pista da Espanha, onde a temperatura está um tanto elevada, é possível sentir-se no ar a expectativa de milhares de fãs presentes, além, é claro, das equipes, seus técnicos e pilotos. Todos têm em mente o que ocorreu há exatos doze meses, onde uma equipe que nem existia propriamente até semanas antes, fundada dos "salvados" da defunta Honda, com um motor Mercedes aparafusado às pressas, com dois pilotos em contratos provisórios, um deles resgatado de uma aposentadoria quase inevitável, assombrou a todos com seu ritmo avassalador. Pior ainda: muitos julgavam ser aquela uma tentativa desesperada da "raposa" Ross Brawn para angariar algum tipo de patrocínio, e olhavam com certa condescendência, como a dizer: já vimos este filme antes, e o final nunca é feliz! Surpreendendo a todos, provavelmente mais ainda aos próprios integrantes da equipe, a equipe branca e amarela-marca-texto, iniciou a temporada sem tomar conhecimento de seus poderosos adversários, beneficiada a bem da verdade com uma peculiar interpretação do novo regulamento, no que dizia respeito aos difusores. Muitos choraram, reclamaram, fizeram biquinho, mas quando começaram a trabalhar para valer e diminuir a distância, já era tarde: com 6 vitórias nas sete primeiras etapas, o insosso Button levou o caneco para a Ilha de sua Majestade.
Portanto, de volta ao mesmo cenário, com equipes novas (que ainda não mostraram as caras, ou carrocerias) e um retorno de peso: Michael Shumacher, simplesmente o maior piloto de todos os tempos, aposentado desde 2006! Schummy cedeu aos apelos do velho amigo e cúmplice de tantas vitórias Ross Brawn, e com a equipe agora campeão e adquirida em parte pela poderosa Mercedes Bens, que aliás financiou a primeira parte da carreira do queixudo teutônico, as expectativas são bastante altas. Seu co-piloto, Nico Rosberg, que a bem da verdade ainda não se estabeleceu como um competidor capaz de lutar pelo título em seu próprio direito, se viu subitamente jogado à sombra do grande compatriota.
Nesse ponto da história, entra o nosso personagem principal dessa pequena-tentativa-de-crônica: Rubens Gonçalves Barrichelo - ou simplesmente, La Bouche! Para não perder o hábito de falar mais do que deve, e após anos vivendo à sombra do talento e das maracutaias do alemão, resolveu dizer em entrevista à revista Autosport inglesa que "se Rosberg quer realmente ganhar algo, deve sair da equipe Mercedes". Oras, oras, bolas. Qualquer um, eu, você, o Zé ceguinho poderíamos dizer ou escrever isso, mas Rubens? Sei lá.... Continuo achando sábio aquele ditado que diz que se a palavra é de prata, o silêncio é de ouro...

Um comentário:

Rui Amaral Lemos Jr disse...

RB fala demais e se perde totalmente em devaneios. Agora fala que a Willians é sua equipe de coração etc etc e tal. Será que algum dia voltaremos a ter um campeão? Campeão em tudo como o Emerson, Piquet e Ayrton só p/ falar em F I.
RB não merece mais comentários!!!

Abs