domingo, 24 de maio de 2015

1000 - Milésima postagem do blog.

Este modesto espaço começou timidamente, em 2009 e logo me surpreendeu ao abiscoitar um prêmio importante com cerca de seis meses de existência, o Prata do Top Blog! Depois muita água rolou por debaixo da ponte (apesar da estiagem) e tivemos juntos, altos e baixos. Não prometo nada, mas tenho a intenção de retomar as postagens, sem compromisso, pelo prazer de escrever e dividir meus achados com os amigos. Mil postagens não é para qualquer um, então parabéns a nós, ao blog e a mim.
Aos poucos pretendo introduzir algumas novidades, como comentários em vídeo, mas estes ainda estão em fase de testes. Veremos. Por agora, quero comentar algumas coisinhas das corridas de hoje, de forma superficial, pois não faltam espaços com descrições e comentários ótimos e detalhados.

GP de Mônaco de Formula 1




A Formula 1 anda meio manca das pernas. Nunca houve tanta grana, tanta sofisticação técnica e tecnológica ( não, não são a mesma coisa),  cinco campeões mundiais em atividade, um dos maiores e mais tradicionais fabricantes de autos e caminhões ganhando, mas, definitivamente, há algo de podre no Reino da Dinamarca de tio Bernie! Erros ao elaborar um regulamente minimamente razoável, desequilíbrio nos orçamentos, uma equipe que se arrasta melancolicamente pelo final do pelotão, fazendo tempos mais lentos que a GP2 – não é a Formula 1 que todos gostaríamos de ver.
Há temas “transversais” também, tais como a precocidade de Max Verstappen, que de certa forma desmoralizou a aura de “super homens” que tínhamos dos incríveis atletas ungidos com um cockpit na “máxima”! Com a chegada do molequinho, veloz, atrevido, mas com menos experiência de pista que qualquer um que pilote em nossa doméstica Stock Car, foi por terra aquela crença que apenas os “melhores” e “diferenciados” (peço desculpas pelo uso excessivo das aspas) poderiam um dia fazer juz a um lugar no olimpo sagrado da Formula 1. Eu sou um daqueles que acreditavam nisso e tão brutalmente quanto dizer a um garotinho que Papai Noel não existe, foi perceber que qualquer moleque, rápido no Kart, bom de vídeo game, poderia sentar numa besta de mais de 700 HP e duelar com os monstros que estão lá há mais de uma década. É frustrante, admito, pois quando eu torcia o pescoço nas curvas de Brands Hatch a bordo de meu modesto Royalle ou mais tarde, Van Diemen de F Ford, imaginava que precisaria de anos de experiência para poder  domar os pouco mais de 600 HP dos Cosworths de então ( descontando os turbos, habilmente amestrados pelos Piquets, Sennas, Prosts e Villeneuves do começo dos anos 80). Ver um molequinho pular de seu brinquedinho de rodinhas, fazer um ano de F3 e já estar         ali em Mônaco ( de todos os lugares, Mônaco!) disputando freadas.... era impensável. Confesso, estou a rever meus conceitos de décadas e estou muito confuso sobre as dificuldades da F1 atual.

P.S. = A "mancada" da Mercedes foi fenomenal e o Hamilton tinha toda razão para ficar com aquela cara de bunda depois da corrida. Confesso que não simpatizo com o Rosberg, como não simpatizo com filhinhos de papai em geral, portanto preferia ter visto uma vitória do Hamilton, do Kimi, ou de qualquer outro. Menos do Maldonado claro, porque simpatizo ainda menos com filhotes de ditaduras de esquerda de Republiquetas latino americanas...


Indy

Confesso não torcer pelo Helio  Castro Neves ( com seu jeito artificial de vendedor de enciclopédias), apesar de considera-lo um ótimo piloto. Gosto do Tony Kanaan, mas ele também me parece um tanto artificial e o fato de ser amigo do peito do Luciano Huck, figura que abomino, me afasta das trincheiras de sua torcida. Gostava sim, do Zanardi e do ....Montoya! Este gordinho hoje me encheu os olhos e me deu orgulho ao vencer com méritos e garbo a edição 99 das 500 milhas de Indianápolis. Ao contrário de alguns que reclamaram do corte abrupto da Band ao final da prova, eu agradeci pelo menos terem respeitado os fãs de automobilismo e mostrarem a corrida na íntegra. Futebol.....depois daquele vergonhoso 7 a 1 é coisa muito secundária em minha agenda. Mas pelo menos, a corrida da Indy, em que pese a chatice das muitas e demoradas paralisações e toda a cafonice americana, foi ótima. 

terça-feira, 19 de maio de 2015

999: MAIS DE SEIS MESES DEPOIS....



É, faz tempo que não escrevo por aqui e o mundo não para. Coisas acontecem, a vida nos surpreende e o cotidiano teima em ser mais surreal que qualquer filme de ficção. Mas a gente fica firme e não desiste da labuta diária em busca daquele ilusivo resgate de nossa essência. Preservar valores, manter a bussola apontada na direção certa, mesmo que pela escotilha tudo o que enxerguemos seja o breu da noite e o açoite da chuva pesada. Ir em frente, ainda que a custa de caprichosas curvas traçadas pelo destino. Volto logo, prometo. Sem mais delongas. Trazendo principalmente, minhas impressões sobre automobilismo aqui nesse espaço. Papo sério! Hasta!


P.S. : o número 999 refere ao post deste blog. Portanto, o próximo é o milésimo!

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

JUSTA HOMENAGEM

Para comemorar os quarenta anos do bi campeonato do Emerson Fittipaldi (e primeiro de muitos da equipe), a Mclaren divulgou um simpático e divertido vídeo. Vale a pena ver!

sábado, 11 de outubro de 2014

BEM VINDO HAAS F1 TEAM

Não será em 2015 a estréia da nova equipe norte-americana na Formula 1, mas sim em 2016. Eles parecem ser um empreendimento sério, vamos torcer!

terça-feira, 7 de outubro de 2014

THE AFTERMATH ( O APÓS)



profeta do passado é fácil. Estou falando do seriíssimo acidente que vitimou Jules Bianchi no GP do Japão. Tenho lido em silêncio as várias opiniões, algumas de pessoas que respeito, outras totalmente sem base a respeito das causas do acidente. A C I D E N T E. Ou não? Há século, eu, em minha porção profeta do óbvio condeno aquelas pesadíssimas máquinas dentro do raio de ação dos carros. Um carro de corridas, de qualquer categoria, é um animal nervoso, veloz, feroz, imprevisível. Um momento você está deslizando velozmente pela reta e ao aproximar-se de uma curva, uma mancha de óleo, uma tomada mal feita, uma zebra mais afoita e voi lá! você está rodando tal qual um pião doido em direção à barreira de pneus ( se tiver sorte), guard rail ou.....um enorme trator que resgata alguém que teve o mesmo destino que o seu há instantes atrás. E as bandeiras? Bandeira amarela serve para diminuirmos a velocidade e não efetuar as ultrapassagens, mas vai falar isso para um piloto cansado, estressado, deitado dentro de um monoposto quente e apertado, com visão limitadíssima pela chuva!
O fato é que a batida foi fortíssima e o último boletim médico não é nada animador: Bianchi sofre de uma condição chamada "axonal difusa". Trocando em miúdos: há poucas chances de ele ter uma recuperação plena. Pode vegetar por anos ou.....(não quero fazer nenhum tipo de paralelismo com a situação de Michael Schumacher, mas a tentação é grande). Triste saber que um jovem talentoso, promissor, com a carreira em ascensão tenha sido vítima de tão bizarro acidente. Que algumas lições sejam aprendidas e aplicadas. E que os homens responsáveis pela segurança do esporte sejam sensatos e tomem atitudes coerentes. Confesso que hesitei bastante em postar aqui o vídeo do acidente, mas como o tenho visto em abundância por aí, resolvi dividir com meus leitores os horrores da cena.

domingo, 5 de outubro de 2014

ANDREA DE CESARIS: FINAL PIT STOP!

Já na Formula 3 uma incrível atração pelos barrancos! Grande Andrea de Cesaris!
A primeira vez que ouvi falar no nome de Andrea de Cesaris foi em 1979 quando ele, bem jovem ainda, (pelo menos pelos padrões da época....) enfrentava no Campeonato Inglês de Formula 3 feras do calibre de Chico Serra, Nigel Mansell, Derek Warwick, Mike Tackwell, Brett Riley, Stephen South e muitos outros. Ele era rápido mas errático, característica que iria manter pelo resto de sua longa carreira. Foi alçado à categoria máxima no final de 1980, após campanha discreta na Formula 2 européia, sempre apoiado pela Marlboro (seu pai era o representante da tabaqueira na Itália), em uma Alfa Romeo. Em 1981 foi contratado pela equipe McLaren, para substituir Alain Prost, que se mudou para a equipe Renault. A equipe de Ron Dennis não estava lá das pernas, e ele mostrou velocidade em ocasiões. Depois disso, a volta a Alfa Romeo, onde marcou uma pole position, liderou corridas, mas errou muito. E muitas outras equipes. Estive com ele em uma ocasião durante os teste coletivos em Portugal, acho que em 1985. Era um cara simples e focado, apesar de sua síndrome de Asperger, que o fazia piscar e revirar os olhos sem parar. Hoje, encontrou sua bandeirada quadriculada final. Que descanse em paz, inquieto romano!

Com a linda Mclaren.


Com a linda, oopss....o que sobrou da linda Jordan em 1991!



DOMINGO ESTRANHO: GP DO JAPÃO

Angústia e glória, este poderia ter sido o subtítulo desta matéria: a primeira para todos aqueles que torcem pela vida e pelo esporte, temendo pela saúde do francês Jules Bianchi. Glória, se bem que quase nem comemorada, pelo melhor piloto da temporada, Lewis Hamilton, que em condições precárias mostrou quem tem a primazia de ser o melhor piloto dentro da equipe Mercedes, e quiçá, em toda a Formula 1 atual.
A corrida começou com safety car, bandeira amarela e foi interrompida após duas voltas por absoluta falta de condições. Isto está amplamente documentado, em sites e jornais mundo afora. Ao voltarem a pista, em condições mais do que perigosas, os pilotos mostraram porque são a elite (palavrinha maldita, mas que aqui se aplica) do esporte. Controlar aqueles carros pista molhada, com risco de acquaplaning, a mais de 300 km por hora, faz você enxergar porque eles merecem aqueles salários astronômicos.
E justamente, após um acidente sem maiores consequências do alemão Adrian Sutil, com a entrada de um enorme trator (ou seja lá o nome que aquele monstrengo tem) para o resgate imediato da Sauber, Bianchi derrapou e atingiu o trator. As fotos não deixam dúvidas: até mesmo o santoantonio do carro foi arrancado, devido a violência do impacto. Os momentos que se seguem a um acidente desta monta são terríveis, cheios de expectativa e esperança. Abaixo, uma foto da situação do carro instantes após a batida:


E logo abaixo um vídeo de quase nove minutos que mostra o desespero dos socorristas japoneses com o que estavam vendo:

sábado, 4 de outubro de 2014

O INDULTO: FILME COMPLETO

Sei que noventa e nove por cento de minhas postagens aqui são sobre automobilismo, mas lá em cima, no cabeçalho do blog está escrito, entre outras coisas, cinema. Portanto, aproveito a ocasião para postar um filme completo, produzido por um bravo pessoal lá de Ourinhos, minha terra natal, com baixíssimo orçamento e qualidade alta, provando que cinema é para quem sabe e quer fazer. Parabéns aos irmãos Sanches e a todos os demais que participaram do projeto. Daqui, eu torço muito!

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

ANTI KALHOLA E SEU VIDEO

Antti Kalhola é um jovem finlandês famoso pelos seus vídeos, certamente as melhores compilações de gravações de corridas que há por aí. Esta semana ele lançou mais um e a grande surpresa é que  ele afirma que  quer pilotar e vencer também. Até aí nada demais, mas ele vai além: quer ser campeão mundial de Formula 1 e de rallyes, algo que ninguém jamais passou perto. Sonhar é bom, e por que não dividir? Força ao garoto, por enquanto eu curto seus vídeos, onde ele já é campeão.