domingo, 17 de janeiro de 2010

DOMINGUEIRAS : O HAITI É AQUI


Venho pensando na efemeridade da vida. No tempo que escorre rapidamente por entre os nossos dedos, como se fosse areia fina de praia deserta. Nos valores distorcidos e na falta de referências que temos para encontrá-los. Com tantos recursos de localização e navegação disponíveis hoje em dia (mapas, radares, GPS), estamos espiritualmente muito mais perdidos que os bravos marinheiros das pequenas caravelas de Cabral ou Colombo, que se lançavam às cegas aos mares "nunca dantes navegados". Quinhentos anos depois, conseguimos muito na área da ciência, das artes, da psicologia, mas nada na política. Continuamos na idade média, obscurecidos por mentiras e repetições de mentiras. Camadas e camadas de versões encobrindo a verdadeira face dos fatos. Buscamos ávidamente a felicidade e muitos de nós não temos a mínima idéia do significado disso.
Hoje acordei meio melancólico, porque o "Haiti é aqui." Não adianta olharmos para o outro lado, fingirmos que está tudo bem, porque na verdade, não está. Precisamos repensar nossa maneira de viver em sociedade. Se todos levarem vantagem, vamos empurrando as desvantagens para quem? Para os haitianos do mundo, decerto, e eles são tantos...
Aquele motorista das enormes e estúpidas SUV, que ultrapassa pela direita, que força seu caminho pelas pistas precárias de nossas estradas, que compra DVD pirata e suborna guardas e usa propina como quem usa um cartão de visitas, exibe-se orgulhoso para seus filhos, é considerado um "vencedor". Pobre coitado, e pobre filho. Ele que lê as "Vejas" da vida e imediatamente adquire sólido conhecimento sobre tudo, não sabe de nada. Não exercita seu espírito crítico, que aliás nem sabe direito o que significa, mas opina sobre tudo. Com autoridade.
A maior emissora do país, que ainda é perigosíssima em formar opiniões só mostra aquilo que lhe interessa. Seus noticiários são ações casadas com marketing. As outras, ao imitarem-na, empobrecem a capacidade de reflexão e discussão. Recentemente um pseudo-grande jornalista foi infeliz numa declaração que vazou em áudio sobre os garis, e foi execrado em praça pública. Claro que não compartilho com a opinião de Boris Casoy, mas ele tampouco é o monstro que a esquerda hipócrita pinta, aproveitando-se do fato de ele ter opiniões diversas. A mesma esquerda que abre a boca para falar em democracia e abominar a Ditadura e que lambe os pés de lixo como Chaves e Fidel. Medíocres.
Peço desculpas pelo desabafo. Hoje o Haiti é aqui. Mas vamos em frente, que amanhã será um novo dia. Quiçá muito melhor! Abraços.

3 comentários:

Rui Amaral Lemos Jr disse...

Assino embaixo.

Luiz disse...

Eu também, Rui!

Ron Groo disse...

Texto fino.
Flor do lascio.
Onde assino?