terça-feira, 11 de agosto de 2009

DECEPÇÃO: SCHUMMY O GRANDE NÃO VOLTA, AFINAL



Acordei hoje para a confirmação de uma notícia que no fundo, muitos suspeitavam: desde o acidente de moto sofrido no início deste ano, o alemão vem sentindo fortes dores na região do pescoço, e sendo o perfeccionista que é, jamais entraria numa pista - ainda mais num Grande Prêmio de Formula 1 - sem estar 100%.
É óbvio, que assim como 99,9% dos fãs das corridas, me senti muito frustrado, pois a volta do grande campeão colocaria em perspectiva um monte de coisas que todos queremos confirmar:
as dificuldades que ele teria para se readaptar a carros sem controle de tração, a pneus slick, a eficácia dos pilotos, num campeonato que está para ser vencido por um piloto apagado (pelo menos os dois primeiros na tabela, Button e Webber, me parecem ser pilotos de segunda linha, no caso de Vettel, claro que não) e outras dúvidas mais.
Luca Badoer era um ótimo piloto nas Formulas menores, mas que por ter feito escolhas equivocadas, ou por falta de opções melhores mesmo, teve uma passagem apagada pela Formula 1: 48 corridas sem marcar pontos. Está há mais de dez anos como piloto de testes da Ferrari, o que no mínimo mostra que ele é um piloto técnico, com sensibilidade mecânica. Aos 38 anos, sua carreira efetivamente já era, mas é bom ter uma chance tardia destas, e tomara que ele pontue, pois por tudo o que fez com equipes fracas, não merece figurar no site www.F1rejects.com. Me lembro de outro piloto italiano que eu gostava muito e que nunca teve boas chances, Nicola Larini. Naquele fatídico GP de Imola em 1994, onde perdemos o grande Senna, ele substituía um lesionado Jean Alesi na Ferrari, onde a exemplo de Badoer era piloto de testes, e chegou num ótimo segundo lugar atrás apenas de Michael Schumacher na Benetton. Mas, este segundo e amargo lugar, ninguém mais lembra.

2 comentários:

Speeder_76 disse...

Desde que li as noticias sobre a sua lesão no pescoço, fiquei com um pé atrás sobre a sua propalada volta. Já esperava essa decisão, mas não julgava que fosse hoje.

É como dizes: ele é um profissional a cem por cento. Se não estiver em forma, não vai lá para fazer "numero". E assim, perfere dar o lugar a outro, Luca Badoer.


Ele não é um piloto qualquer, pois já ganhou um campeonato de Formula 3000. Mas isso foi em 1992... e não corre competitivamente desde 1999. E esta escolha, em detrimento de Marc Gené, por exemplo, tem a ver com a nova politica de "italianização" adoptada pelo Stefano Domenicalli, não só em termos de pilotos, mas em termos de estrutura.

E lembraste bem do último italiano a correr na "Rossa": Nicola Larini, em 1994. E Capelli correu em 1992, mas a temporada inteira (ou quase, pois falhou as duas últimas provas do ano, despedido da marca)

Ron Groo disse...

Eu fiquei chateado, muito. Só isto.