sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

ONCE. JUST ONCE. MAS EU OS INVEJO.

Eu sempre admirei e admiro aqueles que conseguem chegar à máxima categoria. Imagina um garoto de 7 ou 8 anos, que começa a brincar de kart, ele sempre vai dizer que quer ser piloto de Formula 1. Deste enorme universo, muitos vão bem longe, alguns morrem na praia, com a categoria em vista. Alguns, após anos e anos de lutas, em alguns casos muitas vitórias e títulos em categorias menores, conseguem largar em apenas um GP. Mas largaram, estão lá, nos livros de estatísticas. Meu post de hoje é em homenagem áqueles que por um motivo ou outro, fizeram apenas um Grande Prêmio. E tem mais, muitos mais para vir, inclusive brasileiro.

Markus Winkelhock. filho de Manfred, uma única prova, com a Spyker e a liderança momentânea. Nunca mais teve chance.
Stephane Sarrazin: francês versátil, também largou uma única vez a bordo de um Minardi
Roland Ratzenberger: austríaco com carreira difícil nas categorias de base e azar na Formula 1. Morreu em Ìmola, naquele fatídico final de semana a bordo do Sintek.

Marco Apicella: uma única e curta corrida com o Jordan.
Pierre-Henri Raphanel: marroquino com uma largada em 17 tentativas. Aqui com o Coloni.


2 comentários:

Speeder_76 disse...

O mais fantástico é saber que o Winkelhock Jr. liderou por oito voltas! Bolas, uma estreia e tanto...

Rui Amaral Jr disse...

Nós bem sabemos o quanto é dificil!