domingo, 24 de outubro de 2010

CORÉIA: ALONSO EM FORMA E COM SORTE É IMBÁTIVEL

As condições eram péssimas: não menos para os doidos que ficaram acordados de madrugada do outro lado do mundo.
Num chuvoso primeiro  Grande Premio da Coreia, Fernando Alonso não estava para brincadeiras: além da competência e do talento habituais, mexeu seus "pauzinhos" de mandinga e os seus dois adversários diretos pelo título (e que tinham mais pontos que ele no campeonato) abandonaram a corrida. Mark Webber errou e pagou caro por um dos poucos deslizes cometidos ao longo de um ano brilhante (talvez a justiça seja feita e não teremos mais um campeão meia boca, a exemplo de Button no ano passado), já Sebastian Chuck Vettel foi vítima de cruel golpe da sorte, com seu motor explodindo espetacularmente quando tinha a vitória garantida após ter dominado todo o final de semana!
A corrida só começou sob bandeira amarela e com safety car na pista, pois as condições eram muito ruins com chuva pesada e visibilidade nula. Após três voltas nessas condições a bandeira vermelha foi acionada e a "prova-procissão" interrompida. Mais de uma hora depois, lutando contra o sono aqui deste lado do universo, a prova foi retomada, ou melhor a procissão. Alguns pilotos eram contra, como Webber e Button. Depois de mais quinze chatíssimas voltas, os carros foram liberados e o Safety car saiu da pista. Já na primeira curva alguns carros se despistaram, mas continuaram, como Bruno Senna e Adrian Sutil — este aliás fez uma exibição patética durante a prova toda, errando muito e finalmente batendo em Koba san e destruindo a suspensão dianteira de sua já "machucada" Force India.
Já na segunda passagem sem o safety car, Mark Webber perdeu o controle e rodou espetacularmente, batendo no muro e de quebra, levando consigo Nico Rosberg, que havia largado bem e feito uma ótima ultrapassagem sobre Hamilton pelo quarto posto. Vettel sempre à frente, ditava o ritmo, bem mais lento que os treinos, claro. Alonso o seguia sempre e alguns pilotos faziam escolhas equivocadas de pneus, como foi o caso de Jenson Button, que arruinou sua corrida e suas chances de defender seu campeonato. No começo, quem apareceu bem foi Sakon Yamamoto, que chegou a rodar durante várias voltas em 15º lugar, uma verdadeira façanha para seu Hispania. Bruno Senna, ao contrário, teve desempenho errático no começo da prova, atrapalhando os ponteiros ao levar voltas, firmando-se um pouco melhor no final. Lucas di Grassi também errou e bateu, refletindo um ano para se esquecer e não ajudando suas já poucas chances de continuar na categoria no ano que vem.
Felipe Massa fez corrida burocrática, jamais fazendo sombra a Alonso e finalmente, sendo beneficiado com as desistências para alcançar um pódio sem brilho em terceiro lugar. Rubens Barrichello vinha fazendo ótima apresentação, após largar de forma conservadora e perder algumas posições. Estava em quinto lugar logo após seu nêmesis Shumacher, até duas voltas do final, quando os pneus o fizeram errar e caiu para sétimo. Não é tão ruim, mas foi um pouco decepcionante para quem tem a reputação de ótimo piloto sob chuva. O alemão heptcampeão conseguiu o quarto lugar (igualando seu melhor resultado do ano). Robert Kubica fez uma corridinha mixa, errando e ficando nas posições intermediárias, mas se recuperou um pouco no final e após a batida espetacular de seu companheiro Petrov — que vinha a sua frente e em quinto lugar — acabou ficando em quinto no final, mas com uma certa sensação de que poderia ter se apresentado melhor. 
Alonso: sorte e desempenho de campeão.
Outro que obteve bom resultado final, após um começo errático foi Tonio Liuzzi e a Force India, sexto na chegada. Em oitavo e nono vieram as Saubers com Koba san a frente de Heidfeld. O japonês teve uma tarde movimentada, mas levou bravamente seu carro branco à meta e aos pontos. O último pontinho ficou para o semi-despediddo Nico Hulkenberg — ameaçado pelos petrodólares de Pastor Maldonado (a besta Chaves está disposto a pagar uma fortuna para divulgar a glorioso Revolução Bolivariana, seja lá o que quer que isso signifique). Enfim, o campeonato tomou um rumo totalmente inesperado  e Alonso mais uma vez provou que tem estrela e sorte de campeão.

2 comentários:

Rui Amaral Lemos Jr disse...

Devia ter dormido e ficado com seu relato pela manhã, depois das 18 voltas com o Safety fui dormir e pelo visto não perdi nada.
Seu Chico -Landi- já dizia o que vence uma corrida consequentemente um campeonato é "sorte, sorte e mais sorte!"

Um abraço

Rui

Ron Groo disse...

Pois é... Este rapaz é a mulher melancia da F1, que cara rabudo.
Mas... Trabalhou pra isto este fim de semana. Era o cara certo no lugar certo.