terça-feira, 5 de abril de 2011

19


Hoje quero fazer um post  de homenagem: a Rubens Barrichello que entra em sua décima nona temporada consecutiva na Formula 1. Não escrevi antes do Grande Prêmio da Austrália por precaução, quiçá superstição.Acompanho a Formula 1 muito antes de Rubens ter nascido ( em maio de 72). Admirava pilotos como Jim Clark, Graham Hill, Jackie Stewart, Jochen Rindt, Dan Gurney antes mesmo do Emerson sair do Brasil e fazer sua gloriosa carreira na Europa, que aliás, abriu as portas com seu sucesso, para inúmeros outros que o seguiram. Acompanhei Nelson Piquet desde os tempos em que assinava "Piket" e dirigia sua própria Kombi velha para os circuitos, com o chassis Polar firmemente amarrado no teto da mesma. Me lembro do Ayrton Senna correndo de kart na categoria menor, contra Mario Sergio de Carvalho, Marios Covas Neto. Estive presente no autódromo por ocasião de suas primeiras provas na Formula Ford 1600 inglesa. Coincidentemente reatei contato com seus dois companheiros na equipe oficial da Van Diemen de 30 anos atrás, Quique Mansilla (argentino - marrento e bom piloto) e Alfonso Toledano (mexicano e encardido nas pistas). 
Me lembro de Rubinho, um garotinho de cabelos loiros como o maior adversário do Christian Fittipaldi na época dos karts. Depois sua meteórica carreira nos monopostos, primeiro com aquele Formula Ford patrocinado pela Arisco, sua estréia vitoriosa em Interlagos na Formula 3, a ida para a Europa e o Campeonato vencido de primeira na Formula Chevrolet, Formula 3 inglesa (campeão) e o ano como protagonista na Formula 3000 Internacional. Ufa.....parafraseando o Rei: são tantas recordações (emoções)!
Enfim, o menino, imberbe ainda, estreou na Jordan Hart no Grande Premio da Africa do Sul em 14 de março de 1993. Já conseguiu no seu primeiro GP largar na frente de seu muito mais experiente companheiro de equipe Ivan Capelli. Nada mal.Caramba! Eu tinha pouco tempo de casado, dois filhos pequenos, dava aulas de inglês para sobreviver e tentava patrocínio, em vão, para voltar a correr na extinta Formula Uno. Parece que foi ontem, mas não foi: uma criança nascida naquele dia, se homem, já terá servido ou sido dispensado do Serviço Militar obrigatório. Se mulher, pode até ser mãe. O espaço de uma vida, ainda que jovem. Rubinho sempre foi piloto dos bons. Vitima indireta de uma circunstância trágica, a morte de Senna, pois a nação de torcedores irracionais, alimentada pela gananciosa máquina da Rede Bobo e seu Babão mor, o alçaram a condição de sucessor. Oras, ídolos não têm sucessores. Senna é Senna. Piquet é Piquet. Fittipaldi é Fittipaldi. Pelé é Pelé. Zico é Zico. Ronaldo gosta de travecos, oopsss.....tem corintianos lendo isso....foi mal.
O post está ficando longo e acho que o Tales (meu filho e leitor dileto - já não chega até aqui, pois do alto de seus 13 anos é impaciente). Tales, aliás, que quando nasceu, em 1997, Rubinho já estava em sua quinta temporada completa.
Voltando ao início: Graham Hill era um marco inatingível com suas 18 temporadas. Agora, no início de 2011 Rubens bateu esta marca. Não estou a discutir os resultados, as carreiras em si, mas sim a longevidade da mesma.  Quantos pilotos sonharam em chegar ao topo, à Formula 1 e não conseguiram? Quantos outros lograram seu intento, apenas para disputar algumas provas ou mesmo algumas poucas temporadas e são admirados? Estamos falando de um piloto que é pago e muito bem pago para estar lá. E que não dá sinais de que pensa em aposentadoria. Que não faz feio, que é competitivo e que mesmo quando erra, o faz dentro de uma margem aceitável estatísticamente. Acho que este fato, e somente este fato, um piloto entrar em sua décima nona temporada na categoria mais competitiva de todas, merece comemorações. O fato de ele ser brasileiro, deveria nos alegrar ainda mais. No entanto, o esporte nacional do país das chuteiras (importadas), dos "experts" de plantão, é malhar o cara. Já dizia Ibraim Sued: os cães ladram e a caravana passa...
Parabéns Rubens. Pela marca e pelo profissionalismo.
Dezenove é um número legal. Que venha o vinte, o vinte e um e quem sabe quantas mais?

2 comentários:

Rui Amaral Jr disse...

Gostei Cezar.

Abs

Rui

Ron Groo disse...

Mais temporadas? Faz isto com a gente não...

Brincadeiras a parte, ao menos ele segue fazendo o que ama.