domingo, 11 de setembro de 2011

A MONZA O QUE É DE MONZA: RELATIVAS


Bela corrida em Monza na Itália hoje. Seb "Chuck" Vettel venceu com o pé nas costas, ou melhor, com a latinha de Red Bull numa das mãos enquanto segurava o volante com a outra. Tirando uma disputa inicial pela liderança com um motivado Fernando Alonso, que pulou na frente na largada, enquanto na primeira curva um Liuzzi ensandecido fez uma carambola infernal, tirando alguns competidores da corrida já no começo, Vettel parecia ser romano: vini , vidi, vince......ou seja lá o que for em latim, vocês entenderam.
A corrida foi boa pela dinâmica da pista que permite disputas de vácuos e freadas em alta velocidade e as novas regras que mesmo que artificialmente, equilibram as disputas (estou falando do KERS e das asas móveis). Jenson Button pilotou "o fino" de novo e vem se tornando um grande nome nesta temporada. Fernando Alonso é o de sempre, campeão com garra e alma correspondentes. Lewis Hamilton fez boa corrida, mesmo tendo quase sido jogado fora da pista por Michael Schummacher, e talvez por isso, foi mais cauteloso que de costume. Em sexto um já obsoleto (para os padrões piloto-Ferrari) Felipe Massa, em sétimo um bom Jaime Alguersuari, seguido por um aliviado Paul di Resta, o novo menino-prodígio Bruno Senna e finalmente, o "muso" Buemi. Nosso Rubinho, mais uma vez não foi páreo para seu carro, seu companheiro de equipe, a língua mordaz de seus críticos, a passagem do tempo, a boa campanha do Corinthians, a desvalorização do dólar....(enfileirando aqui possíveis soluções de  desculpas).....


A corrida foi legal mas já acabou. Vamos agora às relativas:
-Puta que pariu para os filhos-das-puta do Galvão Bueno da e besta-ventríloquo Luciano Burti: que duplinha mais chinfrim. Um fala asneira, o outro, ainda adormecido, repercute. O Bruno Senna, fiquei sabendo hoje, é a oitava maravilha do mundo e nunca-antes-na-história-deste-planeta (para emular outro imbecil barbudo que ainda nos ronda e assombra) um piloto conseguiu um feito tão maravilhoso de marcar pontos em sua segunda corrida na Formula 1 com tão pouca quilometragem prévia. Cacete. Falácia. Quanta imbecilidade. Em primeiro lugar, devo dizer que gosto do Bruno Senna. O rapaz é educado, cortez, fino mesmo. Tem boas qualidades como piloto e isso é inegável. E evidentemente não tem culpa de tanta idiotice que se fala a seu respeito no canal plim-plim pelo locutor gaga e seu side-kik Luciano-dorminhoco. 
Vamos por partes: Bruno começou relativamente tarde na carreira, mas tem bastante experiência sim. Percebam que não estou mencionando um óbvio parentesco ( e me deixa triste que por oportunismo ele use o nome de sua avó materna — sim, dona Neide é Senna — seu Milton é da Silva e o pai de Bruno, o falecido Lalli). Eu me refiro à experiência como piloto. Não vou mergulhar em meus arquivos eletrônicos ou de papel, vou apenas dar um "passeio" pelos cansados neurônios que dão expediente na memória deste desprestigiado cérebro e recordar alguns pilotos que estrearam de verdade na categoria máxima com muito menos experiência e marcaram pontos. Bruno, para quem não se lembra, correu de Formula Renault, Formula 3 na Australia, Formula 3 na Inglaterra (duas temporadas, se não estou enganado), GP2 (também duas temporadas), corridas de carros esporte e uma temporada completa na Formula 1 pela equipe Hispania — gostem ou não, é Formula 1  e dá quilometragem, vide Ricciardo que está sendo preparado para a Red Bull no futuro pela mesma equipe tartaruga. Ou seja: ele tem sim, alguns milhares de quilômetros atrás de um volante de carros de corridas, sempre competitivos (com a óbvia excessão da Hispania, claro). Além de ser tratado como um débil mental, ele teve mais carro hoje que alguns pilotos que chegaram à sua frente, como Alguersuari e di Resta.
Pilotos que tinham menos experiência que ele ao chegarem a Formula 1? Com pontos ou sem pontos na estréia? Vamos lá: Kimi Raikkonen tinha feito apenas cerca de 40 corridas de carros e pulou diretamente da Formula Renault (não da hoje Super Renault da World Series, Renault mesmo) para a Formula 1. Acho que não se saiu tão mal assim, e se bem me recordo, tem até um título mundial na categoria máxima. Jenson Button, pulou diretamente de um terceiro lugar no campeonato britânico de Formula 3 para um assento na Williams em 1990. Também consta um título. Felipe Massa: dois anos em Formulas menores, tipo Chevrolet, um ou dois anos de F3000 na Itália, nada demais. Provavelmente um dos pilotos com menos quilometragem a atingir a Formula 1. Gerhard Berger, também com cerca de 40 participações, em carros turismo (Alfasud) e Formula 3 alemã.Um certo Ayrton Senna: um ano de Formula Ford 1600 ( 25 corridas) um outro ano de Formula Ford 2000 ( 20 corridas) um ano de Formula 3 (16 corridas aproximadamente) e bingo: Formula 1 com ponto em sexto lugar na segunda corrida!
Nada contra o Bruno, repito. Mas vamos devagar com o andor e com a  boca-que-queima-carreiras desta besta chamada Galvão. O rapaz fez um bom trabalho, mas não é nenhum gênio da lâmpada, pelo menos por enquanto.

Quanto as demais relativas, meus respeitos às vítimas e às famílias das vítimas das torres gêmeas do ataque de exatos dez anos atrás. Eu amo Nova Iorque e até pouco tempo antes, estava vivendo por lá. Mas o maior ataque terrorista da história recente continua sendo as duas bombas atômicas covardemente jogadas sobre o Japão em Hiroshima e Nagashaki no final de segunda grande Guerra que mataram mais de 50 mil pessoas que também tinham famílias! A mídia americana, e brasileira em particular, nos faz acreditar que a agressão aos EUA foi uma coisa isolada, covarde, demoníaca. Foi sim. Mas é como uma lei da física: toda ação tem uma reação correspondente!

2 comentários:

Rui Amaral Jr disse...

Vc tratou muito mal o Idi Amim Dadá, tadinho!
É um safado que quer pegar mais uma boquinha com outro piloto e vai acabar detonando a carreira do Bruno como fez com RB e FM, aliás ontem ele pouco falou sobre o "amigão".
Do piloto que comenta sem comentários!!!Geralmente quem agacha demais acaba mostrando a bunda!
Tb acho que experiencia não falta ao Bruno, um bom piloto mas nada que se compare a Vettel, Hamilton, Button e Alonso. Vai andar rápido e caso consiga se livrar do sobrenome, como vc comentou com tanta propriedade, é capaz de dar certo. Agora veja até a tv da FOCA fica encima dele, é o tio Bernie querendo ajudar o Idi Amim e a tv oficial.

Ron Groo disse...

Pô confrade... Dá um desconto....
Temos um material humano bem abaixo da crítica na F1, e os caras precisam vender as provas pra quem não manja de corridas, ai aparece um conterrâneo que anda bem (razoavelmente)e que por obra do destino (nem tanto) tem o mesmo sobrenome do maior de todos os tempos... O que facilita vender o peixe e muito.
Irrita, mas ajuda a manter o interesse e com interesse a F1 é mantida no canal aberto.
Pra gente é uma ajuda e tanto.