quarta-feira, 18 de agosto de 2010

A SINA DOS TERCEIROS, QUARTOS, QUINTOS PILOTOS.

Sinal dos tempos: leio em algum lugar que o Luiz Razia (não, eu não pego no pé do bom baiano) está querendo fazer um treino não oficial de Formula 1 ainda este ano, em Interlagos, ou Abu Dabhi! Wow! Antigamente um piloto se considerava de Formula 1 quando efetivamente corria. Hoje os caça níqueis dos empresários assinam com pilotos novos com a promessa de deixá-los treinar numa sexta feira de manhã uma vez por ano, é muito pouco! Além disso, quem quer ser terceiro ou quarto piloto da Hispania ou Virgin? Que tipo de masoquismo acomete esses jovens em início de carreira? Confesso não entender estas coisas, mas, vai lá, estou ficando velho mesmo. De qualquer maneira, sempre vai ter gente disposta a isso com esperanças de voar muito mais alto. Meu velho amigo Damon Hill, então já com 32 anos de idade, aceitou ser piloto de testes da decadente equipe Brabham em 92, e teve algumas chances de correr, falhando em classificar-se na maioria delas. No ano seguinte, foi para a Willians e teve sua chance de ouro, agarrando com as duas mãos, pés, cotovelos e tudo o mais.
                              Um jovem Damon Hill e sua esposa Georgie, na época em que o conheci, cheio de sonhos e esperanças. (foto de Michael C. Brown

Um comentário:

Rui Amaral Lemos Jr disse...

Outros tempos Cezar, ou como diz um grande piloto brasileiro "piloto hoje é grife" não importa se o treino foi numa manhã qualquer. Na certa vai ter um bom assessor de imprensa dizendo que ele andou super bem e que no ano que vem já está com contrato de 1º piloto assinado.
Aparece na emissora oficial e tudo.
Espero que não seja assim, mas...

Um abraço

Rui